Sonia Guggisberg

São Paulo, Brasil
1964

sonia_guggisberg.jpg

Suíço-brasileira nascida em São Paulo, Sonia Guggisberg é filha do industrial Edy Guggisberg e da cantora lírica e psicanalista Maria Lúcia Sá Guggisberg.

Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e Mestre em Artes pela Universidade Federal de Campinas (Unicamp), Guggisberg atua como artista, videomaker e pesquisadora. Desde a década de 90, vem participando de mostras coletivas e individuais, palestras e workshops no Brasil e em outros países.

De 2007 a 2013 se dedicou ao projeto “(I)mobilidade”, em que nadadores, presos em piscinas, tinham seus movimentos contidos pelo confinamento.

O resultado foi uma série de videoinstalações que foram mostradas até 2013. Em 2014, convidada pelo SESC, a artista realizou “Submersão”, uma obra fotográfica de 450 metros quadrados. A questão do movimento humano, de forma real ou latente, estava sempre presente em seu trabalho.

Clausuras e contenções também eram parte de sua pesquisa e os subterrâneos, tanto das águas quanto no ambiente urbano, se transformaram em trabalho. Nesse momento, estudos sobre documentação artística se tornaram fundamentais. Realizou então o documentário “Subsolo” (X Bienal de Arquitetura de São Paulo, 2013), sobre a Avenida Paulista, assim como a série “Contaminações”, mostrada em exposição individual no Senac São Paulo, em 2017.

Nos últimos anos as questões do refúgio e dos campos de contenção foram temas importantes em seu trabalho e resultaram num vasto material fotográfico e na série de vídeos documentais denominada “Sonho Migrante”, 2017 (Mostra internacional de cinema, “Olhares sobre o Refúgio”, CineSesc São Paulo, 2017) e instalações como “TRAVESSIA”, 2017 (A invenção da Praia nas Ruínas do Cassino da Urca-IED, Rio de Janeiro), mapeando o assunto.

Sonia Guggisberg realizou 18 exposições individuais e além do Brasil, seus trabalhos já foram exibidos em Nova York, em algumas cidades da Alemanha, México, Colômbia, Chile, Espanha e França. Possui obras no acervo do Museu Lasar Segall, Museu de Arte Contemporânea de SP, SESC, Pinacoteca, Museu da Cidade de São Paulo, Instituto Figueiredo Ferraz e Coleção Porto Seguro, entre outros. A artista ganhou o Prêmio Brasil de Fotografia 2014 (Prêmio Porto Seguro), categoria Ensaio, e em 2017, o Prêmio Geral do Festival  Mobifilm.

 Série  " Testemunhos do Refúgio" ,  fotografia  2017.

Série "Testemunhos do Refúgio", fotografia 2017.